segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Dois homens felizes na mesa de um bar




Resultado de imagem para dois bêbados




Lá estavam os dois homens na mesa do bar. Um deles se chama Tonin e do outro não se sabe o nome. Após duas horas e três cervejas, discutiam uma questão simples mas que já produziu muitas inimizades. Queriam decidir qual deles era o mais infeliz. Ou o menos feliz.
- Você é mais feliz, atacou Tonin. Meio destrambelhado, um tanto confuso, mas não leva desaforo para casa.
- Você que pensa.
- Não. Não leva. Rebate na hora. Isso faz bem ao fígado que é o órgão da felicidade.
- Deixe de bobagem - comentou o outro – Eu sou daqueles trouxas que nunca sabem responder de imediato. Às vezes só no dia seguinte me ocorre o que deveria ter dito a quem me aborreceu. Depois, isso não é critério para decidir quem é mais infeliz.
- Não? E qual seria?
- O peso. A gordura. Você é um gordinho feliz. Uma espécie de Buda sorridente. Aliás, como todos os gordinhos bem resolvidos.
E ele explicou que os gordinhos estão sempre na deles, não se agitam, são lentos e tomam decisões de longo prazo. Um gordinho senta-se à mesa e se alimenta com prazer, com lentidão. Gordinho apressado é um falso gordinho. É gordinho de opereta.
- E você se imagina o quê? Um magro elétrico?
- Um magro agitado, ansioso, como todos os magros.
O outro deu uma gargalhada:
- Como todos os magros! Veja só! Ansioso é um gordinho que nem eu, que ataca o prato de comida como ele tivesse pernas e fosse fugir.
Os dois riram.
- Quer saber de uma coisa? Eu fui mal na profissão, deveria ter tomado outro rumo.
- E daí? Eu fui mal na cidade que escolhi para morar. Tenho sofrido feito cão danado nessa aldeia caipira.
- E eu que fui mal no casamento? Não conta?
- Não conta. Todo mundo vai mal no casamento.
Concordaram: casamento não valia. Assim como time de futebol. Ganha aqui, perde ali. Mais perde do que ganha.
– E dinheiro?
- Que tem o dinheiro?
- Eu perdi tudo que tinha e não era pouco. Administrei mal, torrei no jogo, nos vinhos e...
- Não vale, interrompeu o outro.
- É verdade.
Aí um deles pediu a quarta cerveja. Chamou o garçom com um assobio estridente que fez com que o bar inteiro se virasse para eles.
- Viu como sou? Desastrado.
- Isso não é defeito.
- É defeito de magro.
- Pode ser. Os gordos não são desastrados.
- Você não conhece meu pai.
- Mas conheço os gordos.
Chegou a quarta cerveja. Um deles, que não era o Tonin, não esperou o garçom colocar a cerveja nos copos. Pegou a garrafa.
- Tá vendo? – disse o outro - Ansioso como todos...
- Não force.
- Quem de nós dois teve mais sucesso profissional?
- E o sucesso amoroso?
- Questão de ordem! Esse amoroso tem cheiro de casamento. Não vale.
- Amoroso tem cheiro de casamento? Você não entende nada de amor e de casamento.
- Assim já é demais! Está me ofendendo.
- Eu? Eu? – indignado, ficou de pé.
Dois garçons se aproximaram. Um deles, talvez o Tonin, conciliou:
- Melhor a gente cair fora. Viu o tamanho dos caras?
- Vi. Ou a gente senta para curtir o porre ou cai fora.
- Melhor cair fora.
Pagaram as cervejas, se abraçaram, e saíram do bar às gargalhadas.
Pareciam, tanto o Tonin quanto o outro, muito felizes.





Um comentário:

  1. Já vi episódios como este no boteco que costumava frequentar.

    ResponderExcluir